O Meu Amor

 

 

 

 

Buscais condicionar o meu modo de sentir. 

E adequar o meu amor aos vossos parâmetros, para que o possais entender. 

Mais fácil seria aprisionardes o vento; ou com as estrelas do céu adornardes os vossos cabelos! 

Pois eu sou como sou, e não obedeço senão aos ditames do meu verdadeiro Eu. 

... e, entretanto, por ser assim sou mais confiável do que jamais o sereis! 

Pois o vento, ao mover os vossos moinhos, apenas segue a direção que ele mesmo escolheu. E as estrelas que ornamentam o céu decidiram livrar-se das nuvens, para oferecer-se aos vossos olhos. 

Assim, o meu amor não é o resultado das vossas vontades, mas o que realmente existe em mim. 

E o meu desejo não é uma reclamação do corpo, mas a expressão da vontade da alma. 

Como a minha ternura não provém da necessidade de mostrar-me doce, mas extravasa o carinho que não procuro ocultar. 

E a minha tristeza não é fruto da falta de amor, mas de uma compreensão do amor que não vos foi, ainda, dado ter. 

Deveis aceitar-me como sou. 

Pois, eu vos asseguro, ninguém vos dará um amor maior. Porque vos amo como sois, e limito os meus sonhos ao que me podeis oferecer. 

Seria, acaso, sábio aquele que do mar esperasse ver brotar o fogo? 

Por que, então, esperais de mim mais do que vos posso oferecer? 

Não percebeis, porventura, que se eu vos desse o que pedis limitaria o infinito que tenho para vos dar? 

Não deveis insistir em desfrutar do córrego que podeis entender, privando-vos do oceano cuja imensidão vos assusta. 

Vasto como o Universo, é o meu amor... 

e talvez por isso não o possais entender!

 

     

(página anterior)            (início)            (próxima página)