Canção da Saudade

 

Eu finjo que não sinto a tua falta. 

Como a planta que necessita viver no deserto finge não precisar da água; e a todos os dias esmiúça o céu, buscando nuvens de chuva. 

Aprendi a viver sem ti. 

Assim como o peixe ,confinado em um aquário, aprende a viver sem o mar. 

Entretanto, não sou completo. 

Pois tanto te dei de mim, que hoje me falta a porção que confiei às tuas mãos. 

Vivo. 

Pois a saudade deixa intacto o corpo, enquanto dilacera a alma. 

Já não preciso ouvir a tua voz. 

Pois, em todo esse tempo, ensinei os meus ouvidos a esquecer a esperança. 

E não preciso do calor dos teus braços. 

Consegui acostumar-me ao frio em que a tua ausência envolveu a minha alma. 

Já não vejo o mundo pelos teus olhos. 

E, assim, sou como o cego que abençoa a escuridão que o envolve. 

Entretanto, embora a razão me tenha ensinado a viver sem ti, o que direi ao coração que te pertence? 

Não choro por ti. 

Hoje, apenas acalento esta saudade. Como a mãe que adormece no berço do filho que se foi. 

Pois as lágrimas do coração nem sempre escorrem pelos olhos; são, as vezes, como raízes que crescem sob a terra. 

E é assim o meu amor. 

Que nada exige, apenas existe. E, sem ti, é como um céu que houvesse perdido as suas estrelas. 

Ou como um sonho, que teme esfumar-se ao nascer da manhã. 

Mas os dias continuam a passar. E o mundo não se detém em respeito à minha saudade. 

Por isso, eu continuo a viver. Para que um dia me possas encontrar, se acaso me buscares. 

Acredita! Eu sempre estarei à tua espera. 

Mas, enquanto não voltas, preciso fingir que não sinto a tua falta. 

Como se alguém pudesse esquecer a própria vida... 

 

(página anterior)             (início)             (próxima página)