O ontem, o hoje e o amanhã

 

 

 

Como o vosso verdadeiro Eu, a Vida escapa ao tempo.

Porque no coração do Universo reside a sua origem, e apenas Nele se encontra o seu destino.

a eternidade existe em vós. E a percebereis, se abandonardes a insana Assim, preocupação com o futuro e o inútil sofrimento pelo passado. É com o presente que devem estar os vossos cuidados.

Tristes daqueles cujos espíritos moram na ampla mansão do amanhã, ou se arrastam pelas trilhas estreitas do ontem. Porque não conhecerão as alegrias do hoje e assim a sua

vida decorrerá sempre entre a expectativa e a lembrança.

Sábio é aquele que utiliza as experiências de ontem, para mais intensamente viver o hoje; se a cada dia assim fizerdes, será sempre mais venturoso o vosso amanhã.

Deveis, entretanto, abandonar as amarguras do passado. Porque o travo, ainda que oculto no fundo do copo, se mesclará ao sabor da bebida que poderia hoje deliciar os vossos lábios.

E não devereis colocar no futuro as vossas esperanças de felicidade. Porque mesmo o mais doce mel não adoçará a vossa bebida, enquanto nela não estiver colocado.

É certo que apenas o hoje tem existência. Todavia, é igualmente certo que não podeis desprezar a sabedoria do ontem, nem proceder como se o amanhã jamais fosse chegar.

Pois aquele que não aprende com os erros passados, fatalmente os repetirá no futuro. Como o insensato, que hoje se diverte a semear pedras, amanhã poderá estar descalço e assim, precisará percorrer o seu caminho.

Pois aquele que não aprende com os erros passados, fatalmente os repetirá no futuro. Como o insensato, que hoje se diverte a semear pedras, amanhã poderá estar descalço e assim, precisará percorrer o seu caminho.

Fazei das lembranças do passado o farol que ilumina o presente, para que não volteis a tropeçar nos mesmos obstáculos; e das esperanças no futuro a bússola que vos aponta a meta desejada.

Não vos priveis, entretanto, de respirar a plenos pulmões o perfume que hoje surge em vossa estrada; ou de apreciar a beleza que acaso vos seja dado encontrar.

Pois, assim como o calor de ontem já não vos faz transpirar, não podem as lembranças dos sofrimentos passados empanar as alegrias do presente, onde se renovam as vossas forças para enfrentar as agruras que possam sobrevir no futuro.

E, se estão secas as vossas roupas, por que havereis de tremer pelo frio que vos poderão trazer as chuvas de amanhã, enquanto o sol de hoje acaricia a vossa pele e vos convida a sonhar?

Deveis, portanto, despir do vosso verdadeiro Eu o manto formado pelas mágoas do passado; e descalçar o medo do futuro, que lhe tolhe desnecessariamente os pés.

Nu ele precisa estar, para que possa sentir melhor o infinito carinho do Universo.

Que vos envolve todos os dias...

 

     

(página anterior)          (início)          (próxima página)