Esperanças e Decepções

 

 

 

 

Desesperais, à morte de cada uma das vossas esperanças.  

E por que o fazeis? Acaso a morte de uma rosa significa que não possam abrir-se novos botões?  

Ou não sabeis que as esperanças são como as rosas e cada uma que tomba sobre o solo servirá de adubo, para que outras possam brotar? 

Necessitais renovar sempre as vossas esperanças, e prosseguir com as vossas ilusões. São elas as tintas que usa a Felicidade, para colorir o cinza das vossas vidas.  

Por isto, infeliz daquele que abandona as suas esperanças e renega as suas ilusões; que não se imagina feliz, por medo de depois vir a sofrer.

Pois será como o homem que apenas busca os frutos da árvore, e não escuta a doce melodia do vento em suas folhas.  

Sem o oásis da esperança e a reconfortante brisa da ilusão, seria a vossa vida um árido deserto.  

Aprendei a conviver com as vossas esperanças e decepções; com os vossos sonhos e desilusões.  

Pois sábio não é o homem que tenta pegar a lua; mas aquele que, tendo os pés no chão, sabe erguer os olhos para admirar a sua beleza.

E não desespera a cada nuvem que a encobre, mas apenas a espera ressurgir.  

A sabedoria não é o desencanto, mas a arte de desfrutar do encanto sem imaginá-lo eterno. É saber que cada decepção é o prólogo de uma nova esperança.  

Pois as decepções e as esperanças são as sementes do coração, que cultivais com a chuva das vossas lágrimas e o sol do vosso sorriso.  

E eu vos tenho dito que para esse cultivo viestes. Pois, assim como a planta brota das suas raízes, assim brotará o vosso verdadeiro Eu do vosso constante aprendizado.  

E os seus frutos não serão enjoativamente doces, nem excessivamente amargos. Terão  o perfeito sabor, que vem do conhecimento.  

E esse é o sabor que vos deleitará, por toda a Eternidade.

 

        

(página anterior)          (início)         (próxima página)