Oração da Despedida

 

 

 

 

Por todo este tempo, vos tenho trazido os meus pensamentos e as minhas emoções. E decerto necessitais ordená-los entre os vossos pensamentos e emoções.   

Voltarei a recolher-me, para que possa beber na Fonte de todos os pensamentos e emoções. Pois dela necessitamos, como os peixes necessitam de água e as pessoas de carinho. 

Se não estiver, ainda, cumprida a missão, um dia retornarei a vós. E as palavras que me confiou a Fonte serão mais uma vez entregues a seus verdadeiros donos: os vossos corações. 

Pois a palavra aprisionada de nada vale. E necessita espalhar-se e frutificar, para que possa adquirir vida. 

Entretanto, se eterna é a Fonte, passageiros são os que distribuem as suas águas. E assim deve ser, pois o homem não compreende senão as palavras do seu próprio tempo. 

Se cumprida estiver a minha missão, não voltarei a falar-vos; e, como tantos outros que me antecederam, deverei aguardar o dia em que, com outros trajes e feições, voltarei a andar entre vós. 

E, se assim suceder, sabei que é esta a minha oração de despedida: 

- Sejam os pensamentos que tive os meus guias, na Grande Viagem. 

E os atos que pratiquei as chaves, a abrir-me as portas que eu mereça atravessar. 

Pois a ninguém será dado colher senão o que semeou; ou usufruir senão do que construiu. 

Por isto, é o verdadeiro Eu o supremo juiz. Pois nele residem a consciência e o eterno Conhecimento. 

Não chorem por mim, aqueles que amo; a sua lembrança iluminará as mais escuras passagens. E o seu calor me aquecerá, ante o frio do Desconhecido. 

Que minha lembrança não traga a tristeza da saudade, mas a alegria dos tempos em que juntos estivemos. Porque os vossos sentimentos ainda serão os meus próprios sentimentos; e não deveis forçar-me a chorar as vossas lágrimas, se me podeis ofertar os vossos sorrisos. 

Deixai-me pensar que apenas passei, mansamente. E que fiz parte das vossas vidas. Assim como o sol, que se ergue e se põe em todos os dias; e em vosso bronzeado continua vivo, durante as horas da noite. 

Assim acontece a todos. E os monumentos de pedra perpetuam apenas um nome, enquanto a lembrança amorosa é uma forma de vida. 

Esteja eu em vossos corações, e aqui estarei enquanto aqui estiverdes. 

E de que me serviria ficar, depois que houvésseis partido? Qual seria o encanto do céu, privado de suas estrelas? 

Sabei que me fizestes feliz. E que tudo o que eu vos possa ter dado foi apenas uma parte do muito que me destes. 

Pois o artista, ao compor as suas obras, é como a água, a refletir a imagem dos que sobre ela se debruçam. 

Assim, estou em vós. E estais em mim. 

Por isso, não gasteis comigo as vossas lágrimas. Antes conservai, em vossos lábios, um radioso sorriso. 

Para iluminar o nosso reencontro.

 

     

(página anterior)            (início)            (próxima página)